quinta-feira, 7 de julho de 2011

Lamento della Ninfa

Ninfas e Sátiro (1873) - Pintura de William-Adolphe Bouguereau


Lamento Della Ninfa é um madrigal de Claudio Monteverdi, uma peça renascentista que caracteriza a evolução do canto em relação ao período medieval. Ao escutá-la, fica evidente a ruptura com o canto medieval, predominantemete cristão, pois trata-se de uma criatura fantástica que resgata a mitologia grega e o amor trágico, podendo-se encontrar a paisagem bucólica, onde na beira de um rio enxergamos uma ninfa chorar e lamentar a perda de um amante, que a ela era infiel.

Claudio Giovanni Antonio Monteverdi foi compositor, maestro e cantor. Destacou-se como compositor de madrigais e óperas, sendo autor de Orfeu, considerada por muitos como a primeira ópera. Foi um dos responsáveis pela passagem da tradição polifónica do Renascimento para um estilo mais livre, dramático e dissonante, baseado na monodia e nas convenções do baixo contínuo e da harmonia vertical, que se tornaram as características centrais da música dos períodos seguintes, o Maneirismo e o Barroco.

Em Il Lamento Della Ninfa, Monteverdi apresenta um fraseado diferente, apontando para o que seria a música barroca em seus contrapontos. Pode- se perceber nessa peça o ostinato feito pelos baixos, que construirá uma atmosfera melancólica acentuando a idéia de um lamento. Assim, é formada a imagem de uma Ninfa que lamenta a perda de seu amado, sendo rodeada por dois trios que contam sua história.

Esta peça foi extraída do Libro Ottavo de Madrigali, conhecido como Madrigali Guerrieri et Amorosi (Madrigais de Guerra e de Amor). Este foi impresso em um momento em que a arte vocal do madrigal havia cedido sua posição dominante a formas menos densas. Como a cantata e o duo, este livro de madrigais aparece como uma espécie de épodo aos tempos passados.

Monteverdi continua sendo um dos compositores mais importantes a levar o contraponto renascentista ao canto monódico, que pode ser claramente percebido nesta peça.


Glossário

Ostinato: Um motivo ou frase musical que é persistentemente repetido numa mesma altura, sendo que a idéia repetida pode ser um padrão rítmico, parte de uma melodia ou uma melodia completa.

Épodo: Nos coros de tragédias, parte lírica que se cantava depois da estrofe e da antístrofe.

Monódia: canto a uma só voz podendo ser acompanhada de um instrumento como o alaúde, pode exemplo.


Letra

Coro

Non havea Febo ancora recato al mondo il dí,
ch'una donzella uora del proprio albergo uscí.
Sul pallidetto volto scorgeasi il suo dolor,
spesso gli venia sciolto un gran sospir dal cor.
Sí calpestando fiori errava hor qua, hor là,
i suoi perduti amori cosí piangendo va:

Ninfa e Coro

"Amor", dicea, il ciel mirando,
il piè fermo,"dove, dov'è la fèch'el traditor giurò?"
Miserella.
"Fa' che ritorni il mio amor com'ei pur fu,
o tu m'ancidi, ch'io non mi tormenti più."
Miserella, ah più no, no,tanto gel soffrir non può.
"Non vo' più ch'ei sospiri
se non lontan da me,
no, no che i martiri più non darammi affè.
Perché di lui mi struggo,
tutt'orgoglioso sta,
che si, che si se'l fuggo ancor mi pregherà?
Se ciglio ha più sereno colei,
che'l mio non è,
già non rinchiude in seno,Amor, sí bella fè.
Ne mai sí dolci baci da quella bocca havrai,
ne più soavi, ah taci,taci, che troppo il sai."

Coro

Sí tra sdegnosi piantispargea le voci al ciel;
cosí ne' cori amanti mesce amor fiamma, e gel.


Tradução

Coro

Não havia Febo* ainda trazido ao mundo o dia,
Quando uma donzela ora da própria morada saiu;
Sobre seu palidinho rostoVislumbrava-se sua dor.
Amiúde soltava-se-lhe um grande suspiro do coração.
Se, pisando nas flores errava,ora aqui, ora acolá,
Os seus perdidos amores Assim chorando vai:

Ninfa e Coro

“Amor” dizia o céu mirando,
o pé parou “Amor, Amor, onde está a fidelidade que o traidor jurou?
Pobrezinha...
“Faça que retorne o meu amor assim como ele se foi,Ou tu me matas para que eu não mais me atormente.”
Pobrezinha! Ah não, não, com tanta frieza não pode sofrer.
“Não me atormente, não me atormente mais.
Não, não quero mais que ele suspire, a não ser longe de mim.
Não, não, que os mártires não mais me dirão em fé
não mais me dirão em fé.”
“Porque dele me aflijo Todo orgulhoso está
(che si, che si) Se dele eu fujo, ainda me pedirá.
Se o olhar dela é mais sereno de quanto o meu já não é mais
Ela não abraça em seu peito, Amor,Tão bela fidelidade
Nem nunca tão doces beijos nunca nunca
Terás daquela bocaNem mais suaves ahh,
cala-te cala-te cala-te
Cala-te, porque sabe-o demais!

Coro

Assim entre prantos desdenosos espalhava vozes para o céu,
Assim nos corações amantes o amor mistura chama e gelo.


Curiosidades

Na mitologia grega, ninfas são qualquer membro de uma grande categoria de espíritos naturais femininos, às vezes ligados a um local ou objeto particular. Muitas vezes, ninfas compõem o séquito de variados deuses e deusas. São frequentemente alvo da luxúria dos sátiros. São a personificação da graça criativa e fecundadora na natureza.

Definição

Ninfa deriva do grego "nimphe", que significa "noiva", "velado", "botão de rosa", dentre muitos outros significados.
As ninfas são espíritos, geralmente alados, habitantes dos lagos e riachos, bosques, florestas, prados e montanhas.
São frequentemente associadas a deuses e deusas maiores, como a caçadora Ártemis, ao aspecto profético de Apolo, ao deus das árvores e da loucura Dionisius, ao rústico Pã e ao aspecto pastoreador de Hermes.
Uma classe especial de ninfas, as Melíades, foram citadas por Homero como as mais ancestrais das ninfas. Enquanto as demais ninfas são normalmente filhas de Zeus, as Melíades descendem de Uranus.
Apesar de serem consideradas divindades menores, espíritos da natureza, as ninfas são divindades às quais todo o mundo Helénico prestava grande devoção e homenagem, e mesmo temor.


Classificação

Encontramos vários tipos ou classes de Ninfas conforme o seu habitat, ou as diferentes esferas naturais a que estão associadas.
Entre as mais populares, classificamos:

Ninfas da terra:
Alseídes - associadas a flores
Auloníades - associadas a pastos
Dríades - associadas a florestas
Hamadríades - associadas a árvores
Leimáquides - associadas a campinas
Oréades - associadas a montanhas
Napéias - associadas a vales

Ninfas da água:
Oceânidas - filhas de Oceanus, qualquer corpo de água, normalmente água salgada.
Nereidas - filhas de Nereu, associadas ao Mar Mediterrâneo, aos mares calmos e às águas litorâneas.
Náiades - associadas à água doce.
Crináias - associadas a fontes.
Limnátides - associadas a lagos perigosos e pântanos.
Pegéias - associadas a mananciais.
Potâmides - associadas a rios.

Outras:
Musas - filhas de Zeus e Mnemosine, ou de Uranus e Gaia, passaram a compôr o séquito de Apolo durante a era olímpica.
Calíope - poesia épica
Clio - história
Erato - poesia lírica ou erótica
Euterpe - música
Melpômene - tragédia
Polímnia - poesia sacra
Tália - comédia
Terpsícore - dança
Urânia - astrologia
Lâmpades - associadas ao submundo, compõem o séquito de Hécate.
Hespérides - guardiãs do Jardim das Hespérides, onde cresciam maçãs de ouro que davam a imortalidade a quem as comesse.


Citações

Callimachus no seu Hino a Delos descreve-nos a angústia de uma Ninfa pelo seu carvalho recentemente atingido por um raio.

As Ninfas aparecem muitas vezes como auxiliares de outras divindades, como são exemplo as ninfas de Circe, ou como ajudantes de certos deuses, particularmente Ártemis, ou mesmo de outras Ninfas de maior estatuto como Calipso.

As Ninfas também aparecem bastante em lendas onde o amor é o motivo central, como as histórias de Eco e Calisto, e ainda onde o papel de mulher de um herói é de certa maneira tema recorrente, como são exemplos a lenda de Aegina e Aeacus ou a da Ninfa Taygete.


Para ouvir:

Performers: Viveca Axcell (Soprano), Douglas Nasrawi (Tenor), John Potter (Tenor), Harry Van der Kamp (Bass)


Obs:
William-Adolphe Bouguereau foi um pintor francês academicista que ficou conhecido pelo seu tradicionalismo, pela sua admiração às pinturas clássica e renascentista(especialmente Rafael) e pelo gosto por temas mitológicos. Se tornou um artista irrelevante para o seu tempo, pois os pintores impressionistas de seu tempo já estavam indicando o caminho para o expressionismo, rompendo definitivamento com a dependência dos moldes acadêmicos.

6 comentários:

Anônimo disse...

Muito boa a informação!

Anônimo disse...

post completíssimo! um VIVA à boa música!

tatti disse...

Essa música composta por um compositor barroco do século XVII é simplesmente a coisa mais sensual que já ouvi na minha vida! É sensual na raiz do termo, pois não há como seus sentidos permanecerem indiferentes a esse canto. O Erotismo aqui é elaborado, platônico.
A versão de Jordi Savall tendo como soprano sua falecida esposa, a grande Montserrat Figueras, é sem igual...é como se as vozes masculinas estivessem estendendo um tapete para a voz feminina passar.
É como canto das sereias que levavam os marinheiros para a morte...

Marcello Ferreira disse...

Muito bom

Marcos Montanhês disse...

Sim! além do tempo, e totalmente nele imersa.

Gilmar Oliveira disse...

Gesuis. Me senti na Arcádia.

Postar um comentário